Moção de Repúdio

tarifa

A Coletiva Vulva da Vovó de Teatro e Cultura Feminista repudia a ação da Polícia Militar, de responsabilidade do Governo do Estado de São Paulo em acordo com a Prefeitura da Cidade de São Paulo, no último dia 12 de janeiro de 2016, na ocasião do 2ª Ato Contra o Aumento da Tarifa convocado pelo Movimento Passe Livre – São Paulo.

Há pelo menos um ano a Coletiva Vulva da Vovó vem desenvolvendo estudos cênicos e ações públicas em que se discute a presença da Polícia na vida política e o relativismo no qual está envolto nosso Estado Democrático de Direito. Esse é o nosso tema, é sobre ele que trabalhamos e elaboramos nossas atividades estéticas, a opressão é nosso alvo crítico enquanto feministas, pró-feministas, agentes da cultura.

Ao impedir, reprimindo violentamente, o início do ato contra o aumento da tarifa do transporte público na cidade, a Polícia Militar realizou uma ação criminosa do Estado contra o direito de livre manifestação, reunião em locais abertos e públicos, previsto no Artigo 5º da Constituição.

A pauta do Movimento Passe Livre é clara: não ao aumento da tarifa de ônibus. O valor de 3,80 é abusivo e não reflete a qualidade do transporte público em São Paulo, a abrangência de seu atendimento às localidades periféricas da cidade e muito menos aos pressupostos do que significa o direito ao deslocamento na cidade livremente para todo e qualquer cidadão. A pauta máxima do Movimento Passe Livre é apoiada pela Coletiva Vulva da Vovó: o acesso aos espaços da cidade deve ser garantido gratuitamente a todxs pelo poder público.

Enquanto artistas, isso é, trabalhadorxs da cultura, entendemos ser de suma importância política apoiar neste momento os atos promovidos pelo MPL a despeito de nossos desacordos e críticas sobre o debate e construção das relações de gênero apresentadas pelo referido movimento social.

A pauta feminista não está desassociada da pauta máxima pela melhoria e gratuidade do transporte público na cidade de São Paulo e do movimento pela desmilitarização da Polícia e da política construído há décadas por inúmeros movimentos sociais, nas periferias e regiões centrais de São Paulo.

A Coletiva Vulva da Vovó ainda convoca outros coletivos e grupos de teatro a se posicionarem contra essa política repressora perpetrada pelo Governo do Estado de São Paulo através de seu braço armado, a Polícia Militar.

Amanhã será maior.

A Vulva pula catraca. A Vovó também.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s